Procura Aí

domingo, 17 de agosto de 2008

Uma porta que não vai fechar

O ano era 1988, eu estava em Recife como fazia sempre que a grana ficava curta, férias forçadas.. era manhã quando o telefone tocou, uma pessoa da EMI me procurando, eu havia mandado 3 canções para Nana Caymmi através do Novelli, baixista dela na época, mandei com os nomes das canções e o meu... mais nada.. sem contatos ou telefones.. nada, coisa de iniciante : )
Das 3 canções que eu mandei, Nana gravou duas, abrindo os dois lados do LP, é... Long Play, "Aquele CD enorme e preto" como meu filho de 8 anos chama. A moça no telefone perguntou se eu era o tal Dudu Falcão, eu falei que sim, ela me disse que a EMI inteira estava me procurando para autorização das canções... ninguém tinha a menor idéia de onde me encontrar, mas me encontraram, acho que a pessoa que me localizou em Recife foi Zé da Flauta... quase certeza, posso estar enganado. Enfim, me deram um telefone e pediram pra ligar com urgência, eu liguei, me identifiquei.. pausa... "Você já devia estar aqui, e se não estiver até amanhã, eu corto seu saco fora... " .. mais pausa... uma risada enorme.. Era Nana, me mandou anotar um endereço e finalizou, "Amanhã! sem falta!", não sabia se dizia, sim senhora ou, ok, até amanhã então, acho que disse tchau... e fui correr pra arrumar mala, passagem, etc... Amanheci no Rio e fui direto pro apartamento no Jardim Botanico, onde eu morava na época. Larguei as malas, tomei um banho, troquei de roupa e peguei um táxi pra Copacabana, pro tal endereço, na chegada ao prédio eu me identifiquei e o porteiro autorizou minha entrada indicando o andar e o apartamento. Eu toquei a campanhia, uma pequena pausa.. a porta abriu, diante de mim, ninguém menos que Dorival Caymmi.. "Entre por favor, a Nana está a sua espera"... Eu respirei fundo e entrei com meu violão na mão. Nana havia passado por uma pequena cirurgia e se recuperava na casa dos pais. Dona Estela me ofereceu um café e uma água, Seu Dorival me fez companhia até que eu pudesse entrar no quarto onde a Nana estava... essa parte eu vou deixar pra depois, eu tive o previlégio de conviver com esse homem iluminado e mais, a oportunidade de ser parceiro em uma música com Dorival Caymmi, essa também fica pra outro post... o que eu queria mesmo era contar sobre a porta, uma imagem que nunca mais vai sair da minha cabeça... Dorival Caymmi abriu a porta para mim, e essa porta, nunca mais fechou. Descanse em Paz meu Amigo, Segundo Pai, parceiro e Mestre.

2 comentários:

climério disse...

Dudu, se uma porta como essa se abriu, é porque quem estava para entrar tem tudo a ver com o outro lado; ou seja, "uma porta" não se abre à toa e, quando isso acontece, a mesma porta se abre de novo para que a mesma pessoa saia. Se você permaneceu no ofício, "a porta" estava certa e quem a abriu para ti, mais ainda. Viva Dudu, viva Caymmi.

Muita luz na tua caminhada.

CORES E POEMAS disse...

ADMIRO PESSOAS ASSIM COMO VOCE, SENSIBILIDADE A FLOR DA PELE,QUANDO ESCUTO UMA MUSICA PENSO TUA PENSO ASSIM EU DEVERIA TER FEITO É MINHA CARA,É ASSIM QUE SINTO CADA VEZ QUE TE ESCUTO E QUE VOZ LINDA,UM DIFERENCIAL
TE DESEJO SORTE...QUE DEUS TE PROTEJA SEMPRE UM ABRAÇO