Procura Aí

sábado, 2 de maio de 2009

Myspace Music

Não tinha criado o MyspaceMusic ainda, acabei de fazer a inscrição e adicionar uma das canções do novo CD.
O endereço :
www.myspace.com/DuduFalcaoMusic

Vou adicionar mais algumas assim que acabar de "Editar" a página : )

É isso..

Até outra!

3 comentários:

Robson disse...

Muito bom Dudu.
Já sou fã de suas composições a um tempo.
Quando apareceu tocando no novo DVD do Jorge, po, amei!

Você, além de ser dono de uma simpatia incrível, manda muito bem!

Parabéns.

Grande abraço e muito sucesso, sempre!!

Neli disse...

Oláaaa!!! Essa internet ajuda um bocado, diminui distancia, tempo, tudo bem que toma tempo kkkk. Bem, vamos direto ao assunto
Desculpe o incomodo.
Sou fã do Pedro Mariano, tenho um blog e tento manter ele bem agitado no quesito de ter um pouco mais de conteudo do que fotos e relatos de shows, ou divulgação de alguma matéria sobre ele. Dessa vez, resolvi homenagear os Compositores que estão presentes no trabalho mais recente do Pedro, como voce é o Lenine com "A medida da paixão". Tentei descobrir a história da canção visitando as comunidades do orkut, mas não consegui muita coisa, como sei que o próprio Lenine já a gravou tb tentei achar matérias em que ele falasse, mas tb até agora não encontreí. Tudo bem que não procurei tanto, não me dediquei tanto como deveria kkk. Resumindo para que eu possa fazer essa homenagem eu gostaria de ter um resumo biográfico e a história da canção. Só pra ter uma ideia, já fiz de 2 compositores Edu Tedeschi e Jair OLiveira
http://www.fotolog.com/pedromarianoavoz

Pra mostrar que a intenção é a melhor de todas

bjs e parabens pelo lindo trabalho que voce faz!

Sebastiao Evandro disse...

PSIU

A velocidade assustadora da decadência

A doença nos corpos

O cerco brutal da violência

As lágrimas de algumas mães

O flagelo da AIDS

Geme o homem

Chora a mulher

Todos ...

Mas todos são um só

Na dor, do parto da morte

Morrem loucos inconscientes.

Constroem a velha estrada

Do pensamento austero e fugaz

Jaz aqui a tua calma-alma.

Sombrio indesejado e pobre

Puro conceito, preconceito

No peito a cor da raça

Na graça, derramas suor.

A pista de barro batido

Tem ouvido o mestre cantar

Jamais preto ou branco

Espanto dos seus orixás

E faz fogo das águas

Deságuas teu pranto no canto

Lamentas todo teu prazer

Vês a silhueta do rosto ferido

Bandido, mocinho do bang-bang

O sangue derramas na rua

É tua a salsa e a rumba

Perturbas o vôo do menino.

E vivo como tu debaixo de crise

Persiste por pura paixão

Em vão torna ao início

E vício a tua,a minha,a nossa solidão.

EVANDRO ARAÚJO poeta,compositor e psicólogo de Recife 08191115012 sebastiaoevandro@ig.com.br gostaria muito de conversar contigo